Choveu

Choveu à noite e continuou chovendo de manhã. O pó que as probres moças magrinhas levantam no ar ao tentar varrer a cidade se tornou lama. Os buracos que existem nas calçadas (ou as calçadas que existem nos buracos?) na se encheram de água e esgoto. As minhas sapatilhas roxas ficaram sujas e sujaram o carro que estava limpo. A cidade ficou melada, congestionada, mas refrescada.

O problema de quando chove é que aumentam os mosquitos e, quando aumentam os mosquitos, aumentam os casos de paludismo (malária). Aí quem tem saúde frágil, almoça bolacha e não tem ar condicionado ou mosquiteiro no quarto e tem de dormir de janela aberta logo fica doente. Nos últimos dias na redação, tivemos destaques dos designers A. e P., do repórter I., do motorista C. e talvez do motorista L, que está com paludismo e febre tifóide ou arrumou outro emprego. É muita gente doente de uma doença que nem deveria existir mais.

Tags: , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: