Terremoto

Eu tento começar tudo de novo, bem devagarzinho, tijolinho por tijolinho, cuidando bem de tudo. Aí vem um terremoto e em instantes ele destroi toda a parede que tava começando a se levantar. Droga. E eu perco o chão mais uma vez. E eu me sinto sozinha e desprotegida no mundo mais uma vez, mais do que nunca. E eu fico cansada de mais uma vez ter que começar tudo de novo. Sozinha. Sozinha.

Tags: , , , , , ,

6 Respostas to “Terremoto”

  1. aef Says:

    liga não, ju. e, na linha da escola filosófica que tem seus axiomas expressos nos parachoques de caminhões, descobri que a vida é um eterno recomeço, que teimosia e curiosidade fazem a diferença, que construir e desconstruir faizparte, que se estivermos respirando tá bom demais, etc, etc, etc… portanto, força aí!

    e se aquela cerveja lá na haddock ainda estiver de pé nos próximos dez dias, dá um grito, viu?

    bj.

    ps: e o elinga reabriu, na linha kudurista.

    • juborges Says:

      ai ai, isso cansa viu?
      Adorei a notícia do Elinga. Gostava de pegar um avião só pra ver kuduro no Elinga. Incrível.🙂
      Cervejinha ta super de pé!!!! Me dê um alô.

  2. Alexandre Correia Says:

    Olá Ju!

    Se tristezas pagassem dívidas, pobre só chorava de alegria. Duro mesmo na vida é quando não temos ninguém com quem contar, nem que seja apenas para nos escutar esses desabafos, sentir as nossas angustias, apoiar os nossos começos, opinar sobre os nossos recomeços, dar a mão quando temos medo e ajudar a vencer a solidão, a terrível solidão. Aliás, solidão é isso mesmo, é não termos ninguém para nada disso. Quando achamos que isso acontece connosco, é como se estivessemos no centro de um terramoto. Mas depois de cada tremor de terra o que fazer? Como sempre, começar outra vez. E cada vez que voltamos a começar do zero, mentalizamo-nos que vamos construir algo mais sólido, mais robusto. Nem que seja porque precisamos de acreditar. Verdadeiramente, a única coisa de que tenho medo é da solidão. Adoro estar sozinho, mas sempre sentindo que apenas porque quero e quando quero. Mas também sei que por vezes somos apanhados num terramoto devastador e doi-nos tanto que ficamos com medo das réplicas…

    Um beijo,

    Alexandre Correia

  3. Renata Says:

    A gente nasce sozinho, véve sozinho e morre sozinho. Dã!

    Ao mesmo tempo a gente tem sempre gente…

    • juborges Says:

      hahahahaah. Gostei desse comentário. Pois é. A gente ta sempre sozinho, mas sempre tem gente do lado. E a gente reclama sempre

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: