Posts Tagged ‘coração’

Gato que brincas na rua

30/06/2010

Gato que brincas na rua
Como se fosse cama,
Invejo a sorte que é tua
Porque nem sorte se chama.

Bom servo das leis fatais
Que regem pedras e gentes,
Que tens instintos gerais
E sentes só o que sentes.

És feliz porque és assim,
Todo o nada que és teu.
Eu vejo-me e estou sem mim,
Conheço-me e não sou eu.

Esse poema foi escrito Fernando Pessoa em 1931.

Hoje, o Flávio Motta, um dos senhores mais sábios e intuitivos que existem no mundo (segundo a Marilia — e se ela ta dizendo eu assino embaixo), declamou esse poema para a própria Marilia. A Marília, que anda numa sintonia danada com o seu coração e, que, por isso, está sempre perto do Flávio Motta e anda a pintar coração para as pessoas queridas, mandou esse poema para algumas pessoas que receberam seus corações para dizer um tchau, já que amanhã ela vai passar uma temporada na floresta incomunicável. Eu, que achei esse poema lindo, agora gostaria de dedicá-lo ao meu amigo Zé Maia, que também tem um coraçãozão enorme e está lá longe, do outro lado do mar, do outro lado do continente, num lugar chamado Maputo, de onde ele acha que quer partir e onde eu acho que quero chegar.

Há dias que levo o coração comigo

08/06/2010

Sobre a sincronicidade

Enquanto, na Bahia, a cena desse post aí embaixo acontecia e virava poesia, em São Paulo ou na Barra do Saí, a Marilia produzia esse coração.

Em breve todos esses corações de pessoas que não deixam o coração em casa estarão reunidos num projeto cujo tema, a justificativa e o jeito de trabalhar são o afeto.

Há dias que deixo meu coração em casa

06/06/2010

O mesmo guarda que apontou a arma na cabeça, gritou ce tá fudido, drogado, vai já pra delegacia, também falou a coisa mais doce que eu ouvi alguém me contar nos últimos tempos: há dias que deixo meu coração em casa.

Há dias que eu gostaria de deixar meu coração em casa. Eu já tentei uma vez e não funcionou. Tudo ficou tão no lugar que o coração ficou fora do lugar. E desde então eu não deixei mais ele em casa. As coisas agora ficam fora do lugar às vezes, muitas vezes. Mas pelo menos o coração fica dentro.

A chuva

20/01/2010

Tem dia que eu sinto meu coração apertado, o mundo grande demais e vontade de ficar quietinha em casa, bem encolhida e de luz apagada. Hoje é um desses dias. Eu acho bom quando bem nesses dias tem a chuva, pois a música da água caindo embala os sentimentos de um jeito gostoso.

Cada coisa no seu tempo

09/05/2009

tempo

Quando saí d’angola foi tudo tão apressado e conturbado que não deu nem tempo de sentir saudade daquilo. Primeiro porque meu coraçãozinho, pobre coitado, estava abarrotado de outras coisas, como perdas enormes, angústias enormes, distâncias enormes, mudanças enormes, dúvidas enormes. Segundo porque fui lá para o outro lado do mundo e era tanta coisa nova que nem dava tempo de sentir falta de nada. As energias ficaram mesmo todas voltadas para eu não me perder para sempre naquele labirinto de línguas, outdoords, placas, pessoas e cardápios ilegíveis.

Pois agora que estou do meu lado do mundo e entendo melhor as línguas, os cardápios e as placas (mas não as pessoas), chegou a hora de sentir esses sentimentos que foram adiados.

Pois. Enquanto eu curto essa saudadezinha, fico aqui relembrando que não é legal ir embora de um lugar ou acabar alguma coisa sem fechar devidamente as portinhas.

A Branquela de Angola comprou umas roupas estampadas confortáveis de ficar linda em casa e de ficar lembrando de Angola, ficou arrumando a mala por umas duas semanas tomando vinho e cantando junto com seu mac e postou infinitos posts sobre esse momento de dizer adeus e se reconciliar com essa cidade maldita e querida.

O Candongueiro comeu aquele monte de abacates para acumular gorduras e até guardava metodicamente os abacates na gaveta do escritório, fez festa lá na minha ex-casa e futura pizzaria, devorou tudo que tinha na dispensa para não deixar nada para pessoas que não mereciam e falou frases bonitas para os amigos no seus últimos instantes da última noite ao ter recém-voltado de uma despedida bem importante.

Eu simplesmente bazei de um dia pra outro. Foda isso. O X. também saiu meio repentinamente da vida de Angola e, pelo que estou entendendo, ele também andou por uns tempos assim meio como eu, um pouco aqui e um pouco lá. O animal oportunista foi outro que despencou para fora do país,  expulso pelo sr acaju, e também não fechou as portinhas. Aí ele foi parar lá em Maputo, que pelo menos é igual Luanda, só que tudo mais organizado, então talvez os fechamentos dele também possam ser devidamente elaborados.

Bom, fiz toda essa digressão pra dizer: me deixem ficar revendo minhas fotos, lendo coisas de lá, me deixem falar de angola, falar com as pessoas de angola, repetir os assuntos, me despedir de quem não foi despedido, me deixem, pelo menos por enquanto, ficar um pouco fechada nesse outro mundo fechando as portinhas.

O professor disse que depois de um mês essas coisas passam.

O ultimo capitulo

18/04/2009

Eu podia ficar horas contando sobre as coisas esquisitas das ruinhas de Hanoi, sobre as plantacoes de arroz de Sapa, sobre o trem, as pessoas incriveis que eu fui conhecendo no caminho ou sobre umas pessoas bem pequenas de etnias minoritarias das montanhas que nos levam ate suas casas e nos fazem almocar la e nos sentir super em casa. Eu podia ficar horas falando sobre muitas outras coisas que eu vi, vivi e senti aqui…

Mas eh que agora fica mais dificil porque o meu coracao ja nao ta mais por aqui. Os nossos coracoes se transportam no espaco e no tempo quando bem entendem, sem que seja necessario fazer uma maratona de voos e aeroportos. Entao o meu ja foi na frente e ja se reocupou todo de novo de pessoas, coisas e sentimentos imensos que eu deixei para tras ha seis meses e dois dias.

Hoje, no resto do sono que eu tive na cama confortavel de um hotel, depois de passar a noite chacoalhando no trem de volta para Hanoi, tive um sonho estranho que foi igual a ultimo capitulo de novela. Nao que ele teve um desfecho ou a solucao de um misterio, longe disso. Mas o meu sonho juntou, igual casamento de ultimo capitulo de novela, um monte de pessoas e lugares que sao ou foram muito importantes para mim nos ultimos tempos. Teve vovoh, amigos antigos e amigos novos, a Cacau e sua barriga de gravida, mae, pai, irmas e irmao, barcos e onibus, chuva, tia Ruth, tio Marcos, vietnamitas fantasiados de roupas angolanas, terapeuta, gente que outras gentes do sonho nao conhecem, vagoes de trem, comida boa, um enorme salao de festa.  

Agora que o coracao ja esta la, so falta o corpo chegar de volta.

A grande muralha do coração

01/04/2009

muralha

O meu mundo existe através dos meus olhos e do meu coração e por isso no meu mundo eu faço coisas que o resto do mundo pode achar que não faz sentido. No meu mundo fez muito mais sentido sair de Xi’an e voltar direto para a maravilhosa Shenzhen Springfield do que ir lá pra Pequim conhecer as maravilhas da Cidade Proibida, o Ninho de Pássaro, a grande muralha da China e outras coisas incríveis. Pois é. Não faz nenhum sentido, né? Mas pra mim fez todo.

Em Shenzhen eu tenho calor, casa, amigos, cozinha pra fazer altos jantares, um quarto só pra mim e ainda fico fuçando uns lugares que não são nada turísticos, mas que me deixam entender um pouquinho sobre chineses e China de carne e osso.

Em Pequim eu ia passar frio sozinha numa metrópole barulhenta e linda em que tudo e todos estão em outra língua e ainda ia ter que ficar aguentando conversas fiadas com pseudo-mochileiros europeus que acham que conhecer o mundo é pular de albergue em albergue nas cidades que o Lonely Planet recomenda ao redor do mundo, visitar cartões postais lindos e maravilhosos, ir em baladas que só têm outros europeus pseudo-mochileiros e ficar repetindo aquele papo boring que se resume a falar sobre outros cartões postais lindos e maravilhosos já visitados e papagaiar coisas idiotas que o Lonely Planet fala.

Essa muralha não é a grande, mas é grande também e fica em Xi’an. Ela foi construída no tempo de alguma dinastia do passado e cercava a cidade toda. Hoje em dia pode-se alugar uma bike e andar por cima dela. Um passei maravilhoso, delcioso e muito engraçado se vc alugar uma bicileta dupla e ter que pedalar com sua amiga tudo sincronizadinho.