Posts Tagged ‘férias’

Desrepresou

18/12/2010

Quando os planos, subitamente, viraram outros, não por que eu quis, mas pelo silêncio das pessoas outras que quiseram, eu tratei logo de rearranjar os planos, de renegociar, de repensar, de reentender o aquela mudança imposta pelo silêncio continha de bom. Não foi exatamente simples, muito menos indolor. Afinal, eram planos antigos aqueles, grandes, consumiram minha energia mais profunda. Eles continuam planejados, só seguiram um outro caminho, mas ainda estão na direção esperada e é isso que importa.

Quando uma ligação telefônica me chamou para resolver um problema irresolvível e que não me pertence, eu imediatamente paguei a conta, entrei num táxi, compartilhei a responsabilidade e fui de encontro ao problema, sem me dar conta naquele momento de que ele não me pertencia. Isso eu só entendi depois que o furacão passou e que meu cérebro voltou a funcionar. Minha presença ali naquele triste e decadente palco, de gente dependente das suas próprias loucuras, não era absolutamente necessária. Nem eu queria estar lá.

Quando, todos os dias, eu atendo o telefone para ouvir uma enxurrada de problemas que também não me pertencem e também não me interessam porque, de início, não sou conivente com suas origens, eu escuto, escuto, escuto e finjo para mim mesma que eles não me tocam. Depois desligo e continuo meu dia.

Quando eu faço um convite sincero para um almoço com objetivo de tentar fazer com que coisas que me machucam não me machuquem mais e, mais uma vez, recebo a réplica naquele tom agressivo que faz mais mal a quem o profere do que a quem o ouve, eu abro a porta e digo tchau.

Quando, no táxi que me leva de volta para casa pelo dia branco e denso da marginal, eu entendo que naquele avião já não havia lugar para mim, as lágrimas de todos os outros quandos não chorados descem todas juntas, fortes, incontroláveis. É, acho que andei me esquecendo (de novo) de que não sou uma super mulher.

Ainda bem que já está na hora de desfrutar dos meus 30 dias de merecidas férias, longe de todos esses quandos, perto de todas as surpresas que o acaso gosta de aprontar com a gente!

Tchau, até o ano que vem!

Quando o inesperado vira esperado

17/12/2010

Bem que aquele horóscopo fajuto que eu insisto em ler todos os dias já havia me avisado: abra-se por inteiro para o inesperado e tenha a grata surpresa de perceber como a vida tem caminhos indiretos que o levam a horizontes melhores.

Pois.

Acho que a parte de “abrir-me por inteiro para o inesperado” eu estou fazendo agora. O inesperado vai ficando esperado e o combinado que foi descombinado vai sendo absorvido aos poucos.

Agora vamos ver o que rola com a parte da “grata surpresa”. To curiosa. E animada. E merecendo essas férias de 30 dias com malas enormes cheias de coisas de lugares frios.

Amsterdan

02/07/2010

brasil x holanda na serra

O filme da lua no cinema longe

01/07/2010

Quando a cabeça e o corpo não precisam se ocupar de nada que é necessário, sobra todo o resto das coisas para se fazer. Esse todo resto das coisas de ontem foi ver o filme da lua no cinema longe.

A lua nasce sempre uma hora depois do dia anterior. Então, como antes de ontem ela nasceu às vinte uma e tal, bem na hora da quermesse, significa que ontem ela apareceria umas vinte e duas e tal.

Antes do filme da lua começar, teve o filme das estrelas. No mundo do Mwanito, Jerusalém, inventado pelo Mia Couto, as estrelas foram furadas pela espingarda do Zacarias Kalash. Mas e aqueles borrões brancos que não são um único furo, mas um conjunto de milhões deles, que formam um tecido que só enxergamos quando não tem luz da lua nem luz da cidade? Não sei bem o que eles são, se são os furos da espingarda ou se foram os estragos de uma granada. Mas são bonitos.

Por quase uma hora, o carro subiu a serra, guiado por aqueles farois que iluminavam dramaticamente as árvores retorcidas, as corujas, o condomínio de pedras, os mata-burros, as porteiras. Lindo mesmo era quando os farois eram colocados para dormir no meio da estrada. E aí ficávamos só nós dois, meu pai e eu, escutando o silêncio.

O cinema é a casa do Creuso e da Aline, lá no alto, no meio do nada. É uma tela gigante, 3D, acho que deve ser até 4D. Dá para ver a imensa Delfinópolis lá embaixo e, pela ausência de luzes, dá para imaginar onde está a represa. Dá para ver também como o céu é preto, e não rosa, como a gente enxerga em São Paulo. E como o vento é frio. Dá para ver um chuveiro que nunca desliga com uma botina tomando banho. Lá por detrás dos morros, do outro lado, começa a ficar claro igual o dia raiando. Mas ainda não é o sol do dia. É o sol da noite. Esse sol da noite deixa visível as silhuetas dos morros e das árvores, mas não os detalhes das coisas. Ver à noite é um jeito diferente de ver de dia: existe só o escuro e o claro, nada mais. Depois que as silhuetas aparecem, vem a lua, toda brilhosa, meio cor de caramelo, ofuscando o brilho das estrelas furadas pelas espingardas. O filme foi tão bonito que eu desci a serra na companhia do meu pai e da Billie Holliday já dormindo, com aquele sacolejo bom das estradas de terra.

Minhas Férias

17/01/2010

Querido diário,

num momento de ócio num sábado à noite eu decidi fazer um videozinho tosco pra você entender um pouco sobre as minhas divertidas férias.

Lá vou eu

18/12/2009

A partir de amanhã, quem quiser falar comigo só no ano que vem.

Cardápio, exercícios e coração

06/05/2009

Cardápio de segunda: risoto de camarão com caipirinha de vodka russa na casa do vizinho.

Cardápio de terça: arroz tailandês com dill e salmão co molho do iogurte e pepino na nossa casa.

Cardápio de hoje: sashimi de salmão de entrada e picanha com farofa e salada na casa de outro vizinho.

Ainda bem que todos os os dias ou eu ando de bike olhando o mar, ou eu corro olhando o mar, ou faço yoga ouvindo o rio ou nado no mar ou faço duas coisas combinadas. Se não eu explodia.

A vida ta mesmo boa aqui. Mas tenho que dizer que eu já to começando a querer cineminha na augusta, chopinho no filial e até uma balada moderninha, que é super a minha cara.

***

Minha irmã que estuda Educação Física mediu minha frequência  cardíaca enquanto eu fazia cooper para um exercício da faculdade  e disse que meu coração bate muito acelerado. Alguém duvidava disso?

Férias

02/05/2009

balanco

Eu já viajei, já cheguei, já decidi, já chorei, já matei algumas saudades, já declarei meu imposto de renda, já relembrei a senha do meu banco e até já fui no Studio SP.

Agora vou ficar um monte de dias ilhada na casa da minha mãe, onde tem sossego, esquilos, iogurte feito em casa, salmão com dill, bicicletas para andar olhando o mar, passarinhos turquesas, amarelos, vermelhos e verdes que comem as frutas das árvores de manhã e uma cachoeira que passa no quintal.

Que preguiça boaaaa

22/03/2009

descanso

To descansando bué nesses dias de férias em Shenzhen. Ok, uma cidade industrial chinesa com 10 milhões de pessoas  não é o lugar mais convencional do mundo pra passar férias. Mas tá sendo bom mesmo assim. E daqui a alguns dias eu parto de novo para explorar novos lugares na China. Me aguardem.