Posts Tagged ‘Ilhabela’

Cada coisa no seu tempo

09/05/2009

tempo

Quando saí d’angola foi tudo tão apressado e conturbado que não deu nem tempo de sentir saudade daquilo. Primeiro porque meu coraçãozinho, pobre coitado, estava abarrotado de outras coisas, como perdas enormes, angústias enormes, distâncias enormes, mudanças enormes, dúvidas enormes. Segundo porque fui lá para o outro lado do mundo e era tanta coisa nova que nem dava tempo de sentir falta de nada. As energias ficaram mesmo todas voltadas para eu não me perder para sempre naquele labirinto de línguas, outdoords, placas, pessoas e cardápios ilegíveis.

Pois agora que estou do meu lado do mundo e entendo melhor as línguas, os cardápios e as placas (mas não as pessoas), chegou a hora de sentir esses sentimentos que foram adiados.

Pois. Enquanto eu curto essa saudadezinha, fico aqui relembrando que não é legal ir embora de um lugar ou acabar alguma coisa sem fechar devidamente as portinhas.

A Branquela de Angola comprou umas roupas estampadas confortáveis de ficar linda em casa e de ficar lembrando de Angola, ficou arrumando a mala por umas duas semanas tomando vinho e cantando junto com seu mac e postou infinitos posts sobre esse momento de dizer adeus e se reconciliar com essa cidade maldita e querida.

O Candongueiro comeu aquele monte de abacates para acumular gorduras e até guardava metodicamente os abacates na gaveta do escritório, fez festa lá na minha ex-casa e futura pizzaria, devorou tudo que tinha na dispensa para não deixar nada para pessoas que não mereciam e falou frases bonitas para os amigos no seus últimos instantes da última noite ao ter recém-voltado de uma despedida bem importante.

Eu simplesmente bazei de um dia pra outro. Foda isso. O X. também saiu meio repentinamente da vida de Angola e, pelo que estou entendendo, ele também andou por uns tempos assim meio como eu, um pouco aqui e um pouco lá. O animal oportunista foi outro que despencou para fora do país,  expulso pelo sr acaju, e também não fechou as portinhas. Aí ele foi parar lá em Maputo, que pelo menos é igual Luanda, só que tudo mais organizado, então talvez os fechamentos dele também possam ser devidamente elaborados.

Bom, fiz toda essa digressão pra dizer: me deixem ficar revendo minhas fotos, lendo coisas de lá, me deixem falar de angola, falar com as pessoas de angola, repetir os assuntos, me despedir de quem não foi despedido, me deixem, pelo menos por enquanto, ficar um pouco fechada nesse outro mundo fechando as portinhas.

O professor disse que depois de um mês essas coisas passam.

Anúncios

Eu to aprendendo

07/05/2009

Eu to aprendendo a andar de moto. Vou tirar carteira e tudo, mas por enquanto ainda to longe disso. Esqueço que esse negócio pesado tem um freio no pé, nunca sei se a primeira é pra baixo e as outras pra cima ou o contrário, a alavanca de ligar volta com tudo na minha canela e eu só consegui fazer curva para um lado. Eu também morri um monte de vezes no primeiro dia, mas no segundo já foi melhor.

Com a receita de chicken noodle soup, o prato que me acompanhou em toda a Ásia, foi bem mais fácil. Te tanto olhar os chineses, tailandeses e vietnamitas juntarem aqueles ingredientes na hora e na minha frente na cumbuca, eu acertei de primeira.  

Agora eu também quero aprender a andar de windsurf, esporte que sempre esteve na frente dos meus olhos aqui na capital da vela, mas eu nunca tomei vergonha na cara e encarei.

Cardápio, exercícios e coração

06/05/2009

Cardápio de segunda: risoto de camarão com caipirinha de vodka russa na casa do vizinho.

Cardápio de terça: arroz tailandês com dill e salmão co molho do iogurte e pepino na nossa casa.

Cardápio de hoje: sashimi de salmão de entrada e picanha com farofa e salada na casa de outro vizinho.

Ainda bem que todos os os dias ou eu ando de bike olhando o mar, ou eu corro olhando o mar, ou faço yoga ouvindo o rio ou nado no mar ou faço duas coisas combinadas. Se não eu explodia.

A vida ta mesmo boa aqui. Mas tenho que dizer que eu já to começando a querer cineminha na augusta, chopinho no filial e até uma balada moderninha, que é super a minha cara.

***

Minha irmã que estuda Educação Física mediu minha frequência  cardíaca enquanto eu fazia cooper para um exercício da faculdade  e disse que meu coração bate muito acelerado. Alguém duvidava disso?

Eu não contei que…

04/05/2009

Eu não contei que, além de rio, passarinhos, comidas deliciosas e sossego, na casa da minha mãe tem uma dama da noite. E toda a noite ela insiste em espalhar seu cheiro pelo ar, deixando tudo perfumado de um jeito bom e sensual.

Eu também não contei que estou curtindo uma preguiça imensa e merecida de tudo e de quase todos e que meu corpo não pára de me falar que eu preciso alimentá-lo bem, descansá-lo bem e exercitá-lo bem.

E também não contei que estou um pouco triste porque esse blog que começou com a ju n’angola e virou o blog da ju no mundo agora vai ficar estacionado numa ilha em que tudo parece estar no seu devido lugar e por isso não acontecem coisas fantásticas ao meu redor a todo tempo para eu ficar divagando, perguntando e contando.

Não estou triste por mim, já que tudo o que eu quero e mereço (pelo menos por um tempo, até que meu desgovernado ascendente geminiano comece a reclamar novamente) é ficar estacionada num lugar só com comidas, pessoas e cheiros familiares.

Na verdade eu fico um pouco triste de perceber que vai ficando para trás um hábito que me deu muito prazer e diversão e que me ajudou a manter a sanidade e a rotina durante todo esse tempo. Faz sete meses que, faça chuva ou faça sol, esteja eu na tpm, na euforia, em Macau, em Krabi, em Luanda ou em Johanesburgo, feliz, medrosa, com o mundo desabando sobre mim, acordando ou indo dormir, eu escrevo nesse lugar virtual. Não importa o que eu estivesse fazendo, onde eu estivesse ou o que eu estivesse sentindo, eu tinha sempre pelo menos uma rotina: mostrar como eu estava vendo e percebendo o mundo naquele momento. Acho que vou ficar com saudade disso e da intensidade disso. Mas tudo bem, aos poucos vou recriando outras rotinas e escrevendo outras coisas, em outros espaços e de outros jeitos.

E de vez em quando, quando aparecer uma vontadezinha como apareceu agora, eu acho que ainda vou continuar por aqui postando coisas que talvez sejam desinteressantes ou talvez não.

Boa noite.

Férias

02/05/2009

balanco

Eu já viajei, já cheguei, já decidi, já chorei, já matei algumas saudades, já declarei meu imposto de renda, já relembrei a senha do meu banco e até já fui no Studio SP.

Agora vou ficar um monte de dias ilhada na casa da minha mãe, onde tem sossego, esquilos, iogurte feito em casa, salmão com dill, bicicletas para andar olhando o mar, passarinhos turquesas, amarelos, vermelhos e verdes que comem as frutas das árvores de manhã e uma cachoeira que passa no quintal.